Como melhorar a segurança de dispositivos móveis para sua empresa

Você conhece alguém que não tem um smartphone?

O advento da tecnologia 5G tornou tudo conveniente. Não é mais surpreendente ver as empresas aproveitarem o crescente uso de smartphones. Mas essa conveniência também tem desvantagens, pois torna seus dados confidenciais vulneráveis ​​a crimes cibernéticos.

As ameaças à segurança móvel estão aumentando, representando mais de 40% dos incidentes de segurançaIsso mostra que o uso de smartphones para negócios também deve ser combinado com medidas efetivas e rigorosas para minimizar as ameaças cibernéticas.

Os empreendedores geralmente protegem seus interesses comerciais trabalhando com fornecedores confiáveis, como Duração Gerenciar o registro de empresas. No entanto, muitos não têm sido tão ativos na mitigação de ataques cibernéticos.

Felizmente, existem algumas coisas que você pode fazer para que isso não aconteça em sua organização.

Os benefícios dos dispositivos móveis no local de trabalho

Como os funcionários trabalham em locais diferentes, os smartphones oferecem a flexibilidade necessária para aumentar a produtividade. O uso de laptops aumenta a mobilidade das empresas. Com os smartphones como recurso adicional, a flexibilidade e a mobilidade dos negócios são mais fáceis do que nunca.

Com os recursos móveis mais recentes, os funcionários podem acessar facilmente seus e-mails e aplicativos de trabalho para realizar o trabalho com eficiência. Essa abordagem beneficia muito os executivos e os trabalhadores do conhecimento. Ele permite que eles respondam a e-mails de emergência ou aprovem projetos em movimento.

Diante desses benefícios, medidas de segurança para aprimorar o uso móvel também devem ser consideradas.

Escolha entre dispositivos de propriedade da empresa e traga seu próprio dispositivo (BYOD)

Antes de desenvolver uma política móvel, decida se a empresa ou o usuário fornecerá o dispositivo. Ambos têm vantagens e desvantagens distintas que você precisa considerar. Os dispositivos de propriedade da empresa podem aplicar políticas de segurança com mais facilidade porque você tem controle sobre o dispositivo. Mas com os dispositivos BYOD, os usuários têm mais opções e flexibilidade.

Um modelo de propriedade de dispositivo não determina o nível de segurança da política de mobilidade de uma empresa. Em vez disso, depende da eficácia dos controles que sua equipe de TI implementou.

1. Faça do gerenciamento de dispositivos móveis (MDM) sua primeira linha de defesa

O software de gerenciamento de dispositivos móveis (MDM) permite que a equipe de segurança gerencie políticas de segurança para dispositivos móveis. Ao estabelecer o MDM, a configuração e as configurações de segurança do smartphone de uma empresa podem ser manipuladas com mais facilidade. Proteger as informações comerciais é mais fácil porque você pode definir regras para o uso do dispositivo em sua organização.

O MDM é uma ferramenta muito flexível que permite aos administradores aplicar controles de conformidade de segurança, como:

  • Aplicativos de lista branca e de lista negra
  • Autenticação baseada em certificado
  • Limpeza de dados e redefinição completa do dispositivo
  • Prevenção de perda de dados
  • Configuração de e-mail
  • Forçar atualização
  • Jailbreak, detecção e reparo de root
  • Senha e criptografia do dispositivo
  • Logon único (SSO)

2. Estabeleça uma política clara de segurança para dispositivos móveis

Forneça regras claras sobre o uso aceitável antes de entregar smartphones aos funcionários. A ação disciplinar apropriada deve ser tomada se um funcionário violar a política.

As pessoas em sua organização devem entender os riscos de segurança do uso de smartphones e por que as medidas de segurança são necessárias.

Política BYOD

Se seus funcionários optarem por usar seus smartphones, você deve ter um plano de segurança BYOD em vigor. O ambiente BYOD tornou-se complexo. Os administradores de TI podem agendar lembretes de atualização. No entanto, depende da permissão do funcionário.

No entanto, uma política de conformidade que descreva as consequências de não tomar tal ação obrigará os usuários a segui-la. Por exemplo, os administradores podem criar notificações para que os funcionários atualizem seus dispositivos. Os usuários que não aderem às políticas de segurança podem ter acesso limitado ou nenhum acesso ao e-mail corporativo e outros aplicativos.

3. Escolha uma senha forte

Um endereço de e-mail pode ser associado a inúmeras contas online. Infelizmente, a maioria dos usuários reutiliza senhas semelhantes para protegê-los. Essa falta de escolha cuidadosa de senhas é a base para que hackers roubem dados da empresa.

Para garantir que a senha do smartphone da sua empresa seja difícil de adivinhar, siga estas dicas:

  • As senhas devem conter letras maiúsculas e minúsculas, números e caracteres especiais e ter pelo menos 8 caracteres. Não permita que os funcionários usem o nome de um filho ou cônjuge e uma sequência numérica como “12345” em sua senha. Os hackers podem obter essas informações nas mídias sociais em apenas alguns minutos.
  • Obrigue os funcionários a alterar as senhas de login do smartphone a cada três meses.
  • Depois de fazer login no aplicativo corporativo, implemente a autenticação de dois fatores para verificar sua identidade.

4. Faça backup regular das informações da empresa

Da mesma forma que você sempre faz backup dos dados do seu computador no escritório, faça o mesmo com os dispositivos móveis da sua empresa. Se o dispositivo de um funcionário for perdido, roubado ou danificado, os dados da empresa permanecerão seguros e acessíveis.

Os funcionários usarão diferentes aplicativos de smartphone para concluir seu trabalho. Os administradores de TI devem habilitar políticas de prevenção de perda de dados para evitar que aplicativos não autorizados copiem e acessem dados corporativos.

5. Monitore a conformidade do dispositivo

Mesmo com políticas de MDM, pode não ser suficiente detectar e impedir ataques de aplicativos suspeitos e phishing. Os ataques de phishing direcionados a dispositivos móveis aumentaram ao longo dos anos. Até o gigante de tecnologia Facebook foi atingido por um grande golpe de phishing.

Veja as plataformas Mobile Threat Defense (MTD) para identificar comportamentos suspeitos, detectar ataques por Wi-Fi e pesquisar malware de forma proativa. Para evitar hackers, você pode corrigir o problema desativando o Wi-Fi ou os dados de celular do seu dispositivo.

6. Teste a política de segurança do seu dispositivo móvel

Você não deve esperar por um ataque cibernético para descobrir se suas medidas de segurança estão funcionando. Instrua sua equipe de TI a executar auditorias de segurança com frequência. Para um teste infalível, você pode contratar um especialista técnico externo para realizar testes de penetração e identificar seus pontos fracos de defesa.

Lembre-se, o teste só lhe dirá o que precisa ser melhorado. Continue a planejar seu plano de segurança e observe os resultados para desenvolver um plano de mitigação. Cada fracasso ou sucesso é uma oportunidade de aprendizado que melhora a segurança geral do seu negócio.

7. Informe os funcionários sobre sua política.

Não faz sentido desenvolver uma estratégia ideal de gerenciamento de dispositivos móveis se você não envolver seus usuários. Os usuários são a chave para o sucesso. Educá-los e educá-los sobre as ameaças cibernéticas atuais é fundamental.

Ajude seus funcionários a entender a importância de atualizar seus dispositivos e como isso afeta os dados da empresa. Isso deve ajudá-los a tomar as decisões corretas para praticar a segurança do dispositivo.

linha de fundo

Os smartphones são as ferramentas mais vulneráveis ​​e menos regulamentadas. A maioria das empresas não considera a ameaça de uma violação de segurança que coloca seus dados confidenciais em risco quando o dispositivo sai do escritório.

Considere como gerenciar dispositivos com segurança e proteger dados corporativos. Certifique-se também de que o processo seja simples e minimamente invasivo para seus funcionários.

Leave a Reply

Your email address will not be published.