Steve Case diz que os próximos cinco anos serão sobre ‘a internet encontra o mundo real’

Quando o MarketWatch começou a oferecer notícias e dados financeiros exclusivamente online em 1997, cerca de metade dos lares americanos com acesso à Internet estavam conectados através da AOL. A AOL é liderada por Steve Case, que liderou a evolução da empresa de serviços dial-up para mensagens instantâneas e acesso geral à Internet.

Case acabou surpreendendo Wall Street ao fundir a AOL com a Time Warner em um acordo de US$ 164 bilhões que marcou o ponto alto da bolha das pontocom. O acordo acabou fracassando e Case deixou a empresa para fundar a Revolution, uma empresa de capital de risco especificamente focada em impulsionar a inovação nos EUA fora da Califórnia, Nova York e Massachusetts. Ele também acaba de publicar um livro, The Rise of Others, sobre o empreendimento.

Como MarketWatch completa 25 anos, queríamos conversar com Case sobre o que ele acha que iremos relatar nos próximos cinco anos. Aqui estão seus comentários levemente editados:

O que você acha que estará lendo no MarketWatch daqui a cinco anos?

caso: Espero e acho que dentro de cinco anos entenderemos o empreendedorismo em todo o país. Temos uma obra chamada “Rise of the Rest” e até um novo livro sobre “Rise of the Rest”. Estamos trabalhando para nivelar o campo de atuação e dar às pessoas em todos os lugares a oportunidade de construir empresas e realizar o sonho americano. Acho que daqui a cinco anos, vai passar de um lado, pouca gente sabe o que está acontecendo, para um fenômeno muito mais amplo, empresas, grandes empresas, empresas muito bem sucedidas, começando em cidades de todo o país, não só os lugares habituais como São Francisco, Nova York, Boston. Então eu espero que o resto vai subir. E acho que daqui a cinco anos, as pessoas ficarão surpresas com quantas empresas icônicas de vários bilhões de dólares em todo o país estão localizadas em lugares surpreendentes.

Você ajuda a colocar os americanos online. O que acontecerá com a Internet nos próximos cinco anos?

caso: Acho que os próximos cinco anos serão onde a internet encontra o mundo real. A primeira fase da internet foi conectar todos. A segunda etapa são os aplicativos e softwares na Internet. A fase três é realmente sobre saúde, alimentação e agricultura, serviços financeiros e muitas outras coisas. Então eu acho que vai ser uma grande tendência. Acho que as políticas lá vão se tornar mais importantes porque tendem a ser setores regulados. Mas o potencial de impactar a vida das pessoas de maneiras muito fundamentais, como nos mantemos saudáveis, como aprendemos, o que comemos, como nos movimentamos, coisas assim, será profundo. Como essas são algumas das maiores indústrias do mundo, a oportunidade de construir empresas enormes e bem-sucedidas também estará lá.

O que você se preocupa em ler no MarketWatch daqui a cinco anos?

caso: Estou mais otimista, mas se há algo para se preocupar, é que não conseguimos nivelar o campo de jogo. Neste momento, a economia da inovação é de fato dominada por vários tipos de pessoas em vários lugares. Setenta e cinco por cento do capital de risco flui para três estados. Saiba que as mulheres fundadoras recebem menos de 10% do capital de risco, apesar de as mulheres representarem 50% da população. Os americanos negros representam 13% da população e recebem menos de 1% do capital de risco. Estamos trabalhando duro para mudar isso. Estamos tentando nivelar este campo de jogo. Essa é a razão pela qual começamos Rise of the Rest, e toda a razão pela qual escrevi este livro. Espero e aguardo com expectativa o nosso progresso nos próximos cinco anos. Mas se não o fizermos, continuaremos a nos sentir excluídos e esquecidos em muitos lugares. Isso vai exacerbar algumas de nossas dinâmicas neste país, nossas divisões neste país. Precisamos fechar essa lacuna criando mais oportunidades para mais pessoas em mais lugares.

Que oportunidades você vê na tecnologia hoje que podem ficar mais claras daqui a cinco anos?

caso: Daqui a cinco anos, a tecnologia será vista como quase invisível. Não haverá nem mesmo um departamento de tecnologia. A tecnologia será verdadeiramente incorporada em tudo. Temos visto muito. A maioria das empresas oferece suporte à tecnologia. Veremos mais disso nos próximos cinco anos. Mesmo desde os primórdios da AOL e da Internet, sempre pensei que quando não há mais hifens, está realmente chegando. Não é e-commerce, é comércio, não é e-mail, é correio. Apenas se torna a estrutura da vida, como a eletricidade e assim por diante. Nos próximos cinco anos, você precisa ver mais progresso em direção a esse objetivo.

Qual é o seu maior medo da tecnologia nos próximos cinco anos?

caso: Nos próximos cinco anos, meu maior medo da tecnologia é que ela exclua as pessoas. Como você pode usar a tecnologia para criar oportunidades para as pessoas e nivelar o campo de jogo?

Leave a Reply

Your email address will not be published.